HIPOGONADISMO

  • HIPOGONADISMO

O termo hipogonadismo se traduz pela deficiência de esteróides gonadais (testosterona ou estradiol). O hipogonadismo é classificado como hipergonadotrófico: deficiência primária (gonadal) com elevação de gonadotrofinas (LH / FSH) ou hipogonadotrófico: deficiência secundária / terciária (hipófise / hipotálamo) com redução de gonadotrofinas.
As causas mais comuns do hipogonadismo são descritas a seguir:
1) Hipogonadismo Hipergonadotrófico Masculino: varicocele, orquite, SIDA, doenças granulomatosas com acometimento testicular, lesões cirúrgicas ou traumáticas e torção do testicúlo, uso de drogas (ex:cetoconazol, flutamida, cimetidina, ciproterona, espironolactona, etanol, heroína, etc), Sind. de Klinefelter.
2) Hipogonadismo Hipogonadotrófico Masculino: neoplasias, pós-cirúrgica, pós-irradiação, traumatismo craniano, doenças infiltrativas e infecciosas, hipofisite auto-imune, anorexia nervosa, infarto hipofisário.
3) Hipogonadismo Hipergonadotrófico Feminino: auto-imune, ovariectomia, quimioterapia, irradiação, agenesia/disgenesia gonadal, defeito enzimático gonadal, galactosemia, Síndrome de Savage.
4) Hipogonadismo Hipogonadotrófico Feminino: funcional (ex: doença crônica debilitante, desnutrição, anorexia nervosa) neoplasias, infecções e doenças granulomatosas, Sind. de Kallmann, Sind. de Sheehan.
O quadro clínico é caracterizado pelas consequências da falta dos esteróides sexuais e depende da faixa etária em que se inicia. Além disso, podem existir sinais e sintomas específicos da doença de base.
No sexo masculino: genitália ambígua, criptoquirdia, micropênis, hipodesenvolvimento sexual e muscular, ginecomastia, habitus eunucóide, redução da pilificação corporal, diminuição da libido, disfunção erétil, atrofia testicular, infertilidade, osteoporose.
No sexo feminino: hipodesenvolvimento sexual, habitus eunucóide, amenorréia ou oligomenorréia , fogachos, osteoporose, entre outros.,A investigação envolve geralmente exames laboratoriais hormonais, exames de imagem e cariótipo, quando indicado.

Willians Textbook of Endocrinology. 10 ed. Cap 22. ,Villar, Lucio. Endocrinologia Clínica. 2 ed.